Buscar
  • Filipe Lúcio

A TECNOLOGIA E A EDUCAÇÃO EM TEMPOS DE PANDEMIA

Após o choque inicial da pandemia de Coronavírus e o fechamento das escolas, as cidades estão lentamente aceitando um novo sistema de educação na era pós-COVID-19. 


Em todos os países, a educação foi duramente afetada com a crise. Semestres foram interrompidos, aulas canceladas e muitos alunos ficaram sem formatura.

As escolas físicas são uma necessidade em um ambiente social onde os alunos podem prosperar se apresentar, se destacar e criar relacionamentos com colegas. 

Diferentemente das escolas, o aprendizado on-line ou digital oferece apenas ferramentas de áudio e visuais sem interação cara a cara, que é tão crítica para o crescimento holístico dos alunos.

Na era pós-Covid, enquanto as escolas ainda estiverem por aí, as empresas de tecnologia educacional na Índia colaborarão com escolas, professores, pais e alunos para melhorar a experiência geral de aprendizado dos alunos e a eficácia do sistema educacional. 


As escolas serão obrigadas a aceitar e adotar a tecnologia

Durante o período da pandemia, muito se disse que as escolas poderiam ganhar algo com isso. E de fato, a tecnologia foi o grande avanço nesse sentido. Escolas e universidades que antes não praticavam disciplinas com utilização da tecnologia se viram obrigadas a se adaptar.


As escolas não terão alternativa se não desistir da noção de que podem funcionar sem tecnologia. 

As escolas que se recusarem a ceder à tecnologia serão deixadas para trás, deixando um ponto de interrogação sobre sua finalidade. 

Sua melhor aposta será usar a tecnologia para melhorar seus processos, tornar a educação mais centrada no aluno e capacitar seus professores.



Professores serão capacitados através da tecnologia

No futuro, os professores adotarão a tecnologia não apenas para aprender a si mesmos, mas também para se envolver com os alunos.

Alguns professores já estavam adaptados a tecnologia em suas aulas. No Brasil, era comum ver alguns professores realizando chamadas e aplicando notas via aplicativo. Porém, nas escolas, essa realidade ainda é distante.

 A formação de professores mudará para um modelo misto que combina o poder do aprendizado on-line sob demanda com algumas sessões práticas presenciais. 

Este será um afastamento significativo dos atuais calendários anuais de treinamento programados que a maioria das escolas segue e que ninguém falta durante a era Covid-19. 

Em outra tendência, os professores vêm utilizando o período de bloqueio para treinar seus alunos, fornecer planos de aula e trabalhos de casa e resolver dificuldades por meio de smartphones, mensagens de texto, e-mails e aplicativos de mensagem como o WhatsApp.

Essa tendência continuará com um maior envolvimento on-line entre alunos e professores.


A tecnologia pode tornar o ensino mais centrado no aluno

Toda criança aprende no seu próprio ritmo, à sua maneira e no seu nível atual. As escolas são inerentemente modelos baseados na educação em massa. 

Veremos que os dados e a tecnologia desempenham um papel maior na personalização do aprendizado dos alunos. 

A Covid forçou essa velocidade de adoção a acelerar e vejo essa tendência continuar mesmo após o Covid-19. Isso afetará todas as formas de aprendizado.

O aprendizado se adapta rapidamente, porém, em alguns alunos, leva tempo e exige paciência dos professores.


A tecnologia na educação

Para garantir que a tecnologia digital forneça acesso equitativo e inclusivo à educação, precisamos nos concentrar em fechar essas divisões digitais.

A situação obrigou não só os alunos a se adaptarem, como também os professores e administradores de escolas.Mesmo onde a possibilidade de ficar on-line é possível e acessível, são necessários esforços extras para capacitar grupos excluídos.




951 visualizações

© 2018-2020 por Filipe Lúcio de Andrade